instituto i3G lança Sistema MONGEE

Em desenvolvimento desde 2007, resultado de parcerias com a EPAGRI e UDESC, e com apoio da FAPESC, o Projeto Gases de Efeito Estufa foi concluído com o lançamento do Sistema MONGEE (Monitoramento de Informações Sobre Gases de Efeito Estufa). O acesso ao sistema pode ser feito através do link abaixo:

http://apps.ciram.com.br/mongee/

O Sistema MONGEE possui uma base de conhecimento e um sistema inteligente para gestão da informação com inteligência artificial baseado nas práticas locais e globais para redução de gases de efeito estufa, com foco na cadeia madeireira do Planalto Norte de Santa Catarina. O projeto também busca envolver parceiros e interessados para criação da rede de informações do setor e estabelecer ações vinculadas.

Informações sobre o aquecimento global e seus impactos na sociedade são manchetes dos principais jornais do mundo. Recentemente, estudos realizados pela Embrapa e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) mostram que as mudanças no clima em decorrência do aquecimento global podem resultar em perdas de R$ 7,4 bilhões para o PIB Agrícola brasileiro até 2020.

Sob essa ótica, o sistema foca o monitoramento de informações relacionadas à produção mais limpa (P+L), o respeito à legislação ambiental e ao uso de fontes renováveis de energia, destacando-se como instrumentos robustos de gestão ambiental na esfera corporativa, já que desenvolvem uma estratégia ambiental integrada. A produção sustentável de madeira, a partir da silvicultura (cultivo de árvores) tornou-se uma forma bastante eficiente de reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa, bem como, o seqüestro destes gases, contribuindo para a conservação do meio ambiente, desenvolvimento econômico e social.

A associação, de um modelo de implementação interativa de gestão da produção mais limpa para o setor madeireiro do Planalto Norte Catarinense ao Sistema MONGEE, permitirá resultados tecnológicos inovadores capazes de avaliar as práticas adotadas pelas empresas na redução dos gases de efeito estufa, monitoramento e integração das informações relativas à gestão ambiental das atividades de silvicultura e transformação madeireira na região, bem como facilitar iniciativas e processos de melhoria da gestão e certificação ambiental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.